sexta-feira, 22 de março de 2019

AMERÍNDIAS: PERFORMANCES NO CINEMA INDÍGENA NO BRASIL


lançamento do livro
AMERÍNDIAS: PERFORMANCES NO CINEMA INDÍGENA NO BRASIL
Teatro Praga & Sistema Solar

22 de Março de 2019 | 18h30 | Rua das Gaivotas, 6 Lisboa

com a presença de
Alberto Álvares, Patricia Ferreira, Rita Natálio e André e. Teodósio.

Textos de: Ailton Krenak, André Brasil, Aparecida Vilaça, Dominique T.Gallois, Eduardo Viveiros de Castro, Els Lagrou, Estela Vara, Isael e Sueli Maxakali, Manuela Carneiro da Cunha, Pedro Cardim, Rita Natálio, Rodrigo Lacerda, Susana de Matos Viegas e Vincent Carelli.

Colecção dirigida por Rita Natálio e André e. Teodósio. A ed.______ resulta da colaboração da editora Sistema Solar com o Teatro Praga. Esta chancela é composta por duas colecções. A colecção «Série» divulga o património imaterial das artes performativas contemporâneas. A colecção «Sequência» organiza-se em livros temáticos oriundos de diversas disciplinas, que ofereçam uma reflexão sobre sistemas de poder e protesto na actualidade. Pretende-se assim colmatar a ausência, no panorama editorial português, de uma bibliografia regular e consistente dedicada às artes performativas, bem como pensar o mundo e a história com recurso a disciplinas estéticas, filosóficas e políticas.

quarta-feira, 6 de março de 2019

Nota sobre «Do Tirar pelo Natural» I Tomás Maia






para a Lea  



No amor, pede-se a alguém para que nos tire de nós mesmos.
No ensino da arte é diferente, não muito, mas um pouco diferente.
Encontra-se alguém que nos tira — ou nos ajuda a tirar — o nosso próprio dom de criar. Sem esse encontro, não há exactamente arte. O resto é história de arte.
(Sem dúvida, pode escrever-se e pensar-se a história desses encontros — mas é então, precisamente, que a história de arte se torna criadora porque ela é a narrativa do que, não tendo apenas «interesse histórico», fez e faz literalmente história.)   

*

Um tal encontro exprime a realidade e a necessidade do ensino (quer dizer, da transmissão) da arte. Embora não se possa transmitir o dom de criar (porque ele é inato), dão-se exemplos de obras — com os quais, somente, se pode fazer despertar um dom. Aquele que ensina não precisa de ser um criador (de obras), mas tem de saber dar o exemplo, em todos os sentidos desta expressão. Talvez uma frase (suspendendo por uns segundos a ideia de sacrifício no Ocidente, se é que isso é possível — e não há nada de mais incerto), talvez uma frase de Padre António Vieira possa condensar essa ideia de ensino (que tentarei desenvolver noutro lugar):

Há homens que são como as velas; sacrificam-se, queimando-se para dar luz aos outros.

*

 A proximidade (a vertiginosa e até mesmo perigosa proximidade) entre a arte, o ensino da arte e o amor termina aqui. Demoremo-nos então por um instante em duas diferenças. Quando o amor dá filhos, estes não são propriamente obras de arte; aliás, nem é requerido que o amor dê essa espécie de frutos. A arte, em contrapartida, dá necessariamente obras. Depois — e é uma segunda diferença — a obra, contrariamente a um filho, nunca morre de morte natural, pelo menos se seguirmos a ideia de obra que o Ocidente se fez. Pela simples razão que ela mesma, a obra, se define como uma certa tiragem da natureza.
Tal foi o motivo do meu primeiro espanto quando comecei a ler o tratado de Francisco de Holanda.[1] (Em rigor, mas isso requeria toda uma outra leitura de Francisco de Holanda, à qual apenas posso aludir aqui: o meu primeiro espanto foi a redescoberta dessa língua inaudita em que ele escreve, medita e cria, a ponto de, por momentos, eu duvidar se não estava a ouvir uma certa invocação da graça feminina que se lê na lírica camoniana, não esquecendo um certo culto do oximoro que lhe é peculiar.)   
Mas o espanto que me possibilitou escrever reside no facto de Do Tirar pelo Natural, não deixando de ser um tratado renascentista (sendo mesmo, importa repeti-lo aqui, o primeiro tratado europeu exclusivamente dedicado ao retrato), no facto de esse tratado enunciar algo de trans-histórico, por um lado, e de transversal a qualquer género ou expressão artística, por outro. Esse algo é precisamente o gesto de «tirar pelo natural» (que dá o título ao tratado).   
Mas tirar pelo ou do natural o quê?
É assim que, simplesmente interrogando o título, nos precipitamos para o estrato mais profundo do pensamento de Holanda. O verbo «tirar», na sua expressão, tem uma acepção ontológica e teológica.
Para dizê-lo numa frase, dando voz ao próprio Francisco de Holanda,

o Tirar ao natural [é] aquilo que só DEUS fez…  
  
Ora, se subtrairmos o suporte teológico a este enunciado — e eis, em suma, o que também tentei fazer —, obtemos um dos mais rigorosos pensamentos sobre o gesto da arte. Desde sempre e definitivamente. Com efeito, se tirar é sinónimo de criar, então o que se tira da natureza é a própria força nascente que faz dela, natureza, aquilo que ela é: nascença (natura) perpétua. E é porque a natureza (se) dá e (se) retira que a arte — por assim dizer no intervalo da natureza, na sua diferença íntima — lhe tira essa força. Essa «nascença perpétua», na pintura, é evidentemente a luz, e no retrato esta concentra-se inevitavelmente nos olhos (ou em algo que substitua o olhar). É pois uma tal luz que o pintor tem de tirar — e é exactamente por isso que dizemos tirar um retrato (ou tirar uma fotografia; de resto, acaso Francisco de Holanda tivesse podido conhecer a fotografia, tê-la-ia decerto distinguido como ainda mais divina do que a pintura, pois a técnica fotográfica parece ter contraído o acto de tirar a luz reduzindo-o a um único toque (a um clique) — como se o grau de divindade da arte aumentasse com o grau de apagamento da mão humana. Mas seria esquecer que a câmara fotográfica provém de um desenvolvimento multissecular da camera obscura…)  
Como tentei condensar: a natureza é um dom-que-se-retira, a arte é arte de tirar. De tirar o vívido ou o vivificante da natureza — a qual não cessa de se retirar ou de se esvair. Tirar (puxar para si) a retirada da natureza é literalmente re-tratar ou fazer com que a natureza se retracte (e é assim que se explica como, a partir do âmbito — aparentemente restrito — do retrato, se pode enunciar o gesto artístico como «arte de tirar»: «retratar» e «retractar» são um só e mesmo verbo: trata-se sempre de tirar para nós aquilo que se retirava…). Enquanto, pois, continuarmos a ler este tratado apenas como um conjunto de preceitos sobre o retrato (como se alguma vez o ensino pudesse resumir-se à enunciação de preceitos de forma mais ou menos virtuosa!), ou enquanto continuarmos a entender exclusivamente a expressão «tirar pelo natural» como equivalente ao acto de pintar um modelo vivo (quando, logo de início, é o próprio Francisco de Holanda que elege o retrato executado com «olhos invisíveis» ou «interiores»!), não apreenderemos a profundidade do seu pensamento que antecipa por exemplo, pelo menos até certo ponto, a ideia moderna de génio e, em particular, a de Kant.  
 
*

Foi por isso que escrevi uma separata para acompanhar este tratado, isto é, um texto que fisicamente sai do interior do livro de Holanda. Foi a isso que ele me ia convocando, pedindo-me de algum modo que eu também lhe tirasse algo, quase cinco séculos depois, com a sua voz a chegar-me intacta e mesmo cristalina. Pareceu-me que deveria ficar assinalado — pelo menos, por uma vez — que todos os textos e livros que escrevemos (assim como todas as obras que fazemos) são separatas de uma voz anterior e interior a nós — e que tudo o que inscrevemos também deve ser assim deixado, de certo modo já abandonado, em todo o caso separado, para que outro desconhecido nos venha tirar algo que lhe permita descobrir a sua própria voz.
Na verdade, um filho para ser filho, a certa altura na vida, tem de se separar da mãe — paradoxalmente para que esta continue a ser mãe… Foi um filho, pois, que tentei tirar de Francisco de Holanda, quer dizer, da minha mãe para esta ocasião, deixando à vossa escuta e consideração se a separata pode fazer jus à epígrafe que o Paulo foi tirar (sim, uma vez mais, tirar!) a Herberto Helder:

As mães são as mais altas coisas
Que os filhos criam…

*

Resta-me dizer o essencial — e o essencial, hoje, é agradecer.
Antes de mais, agradecer ao Paulo que está na génese deste livro, nas circunstâncias explicadas na sua «Nota de apresentação». Agradecer também — e quanto! — ao Raphael por ter retomado a sua investigação de Mestrado e revisto o seu precioso trabalho de fixação do texto, num equilíbrio inteiramente conseguido entre o português actual e o idioma de Holanda; deste modo, o Raphael supriu a falta de uma edição crítica em português de um texto escrito na mesma língua em 1549… E agradecer ainda — e muito! — ao Manuel por ter entrado nesta aventura editorial, arriscada sobretudo no que diz respeito à separata, pois ele teme — e com razão — que um filho destes se desprenda demasiado da mãe e se perca por essa a um tempo violenta e indiferente distribuição comercial livreira.
            Por fim, tenho de voltar a agradecer ao Paulo. Um agradecimento que muitos de nós aqui presentes lhe devemos. Quando já esboçávamos uma capa tirada da obra pictórica de Holanda, o Paulo chegou com uma imagem surpreendente mas evidente. Propôs uma sombra bordada pela Lourdes Castro, fazendo uma espécie de faísca histórica através da qual um dos gestos mais primitivos de tirar pelo natural — circunscrever uma sombra projectada, e circunscrevê-la por amor, como diria Plínio — passava a iluminar o gesto de uma artista nossa «contemporânea», trazendo assim também, e logo no rosto do livro, o texto de Holanda para este presente. Mas havia mais: essa sombra bordada pela Lourdes é a silhueta do Pedro Morais deitado sobre uma almofada.
            O Pedro não pousa nem repousa em lado algum: está sobre este branco — o branco que ele vestia e com que, de certo modo, revestia o mundo. E a almofada (assim um pouco pendente na capa, próxima do título) faz-me pensar que ele acharia justo este nosso gesto: nem pousado, nem repousado, mas suspenso e transitando de mão em mão como um transeunte qualquer a cair numa espécie de abismo branco. Que é talvez o branco da maternidade libertadora. Obrigado, Pedro.


Tomás Maia, 1 de Março de 2019




[1] O presente texto foi lido na apresentação do tratado de Francisco de Holanda, Do Tirar pelo Natural (Lisboa, Documenta, 2019), na livraria Sistema Solar (Chiado) a 1 de Março de 2019.

sábado, 16 de fevereiro de 2019

I HOPE YOU WILL DROP BY SOMEDAY, UNANNOUNCED


Um projecto de Rabbya Naseer

curadoria de
Margarida Brito Alves e Giulia Lamoni


Livraria Sistema Solar Chiado, em Lisboa
16 de Fevereiro de 2019 [inauguração às 19h30] — 26 de Fevereiro de 2019