segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

O Farol de Amor I Rachilde


O Farol de Amor
Rachilde

Tradução e apresentação de Aníbal Fernandes

ISBN 978-989-8833-23-5 | EAN 9789898833235

Edição: Fevereiro de 2018
Preço: 14,15 euros | PVP: 15 euros
Formato: 14,5 x 20,5 cm (brochado, com badanas)
Número de páginas: 176



O farol, símbolo fálico, e as águas, símbolo matricial feminino, passam em Rachilde por uma relação demente; e o que apreendemos como metáfora neste Farol de Amor resulta em grande parte de uma escolha nada inocente de palavras, de uma sugestão de cheiros e cores.


Quem percorrer os limbos da Literatura e tirar a febre aos livros encalhados longe do favor dos manuais, terá por vezes a compensação de um sobressalto. O Farol de Amor é um grande sobressalto. No século XIX escrevia-se bem. Porque a leitura era a ocupação preferida de quase todos os que soubessem ler, vivia-se uma idade de ouro que activava, onde se acolhessem, os grandes talentos de contar. […]
O Farol de Amor é agora mal-esquecido depois de uma assinalável presença no favor do público, do registo de algum arrepio na inteligência da época. Laurent Tailhade, por exemplo, sucumbia numa carta à emoção: «Uma obra-prima… que li de uma assentada, seduzido e apavorado ao mesmo tempo, um Farol de Amor que é obra-prima da literatura e do terror também.»
[…]


Rachilde [Cros, 11 de Fevereiro de 1860 – Paris, 4 de Abril de 1953] – Marguerite Eymery em solteira, e Marguerite Valette depois de casada com o fundador da editora Mercure de France – se não teve talento que lhe garantisse, junto das sumidades literárias da época, uma memória vitalícia, mereceu do seu tempo um olhar rendido, ou de recusa, ou de reserva, mas nunca de indiferença.
A escritora Rachilde, agora um pouco esquecida, foi o contrário do insucesso público: somou num vasto percurso de edições uma admirável quantidade de best-sellers. […]
Conquistou uma cadeira de poder na Mercure de France, sacerdotisa que intrigava na sombra a boa e a má sorte dos editados. […] O seu pai, oficial de carreira, tinha sonhado descendências varonis e fora forçado a consolar-se com esta filha única «vestida à rapaz». […] Esta amazona estreia-se como romancista numa época bastante descrente de talentos literários na Mulher. […] morreu velha de noventa e três anos, e cansada de tanto escrever. 
[Aníbal Fernandes]

Sem comentários:

Publicar um comentário