terça-feira, 4 de novembro de 2014

«Manon Lescaut» | Padre Prévost



Manon Lescaut
(História do Cavaleiro Des Grieux e de Manon Lescaut)
Padre Prévost

Tradução e apresentação de Aníbal Fernandes

ISBN: 978-989-8566-63-8

Edição: Outubro de 2014

Preço: 14,15 euros | PVP: 15 euros
Formato: 14,5x20,5 cm (brochado, com badanas)
Número de páginas: 192


Um perfume libertino de pó-de-arroz, vinho na toalha e cama desfeita. 
As duas personagens estão cobertas com o óleo que há nas penas do cisne, 
o que lhe permite chapinhar na água sem se conspurcar.
Cocteau

No inferno destas duzentas páginas ouvimos da voz humana, e ao seu nível mais patético, os exorcismos, as ameaças, os gritos da revolta e do desespero, o sopro das encarniçadas forças de um herói de amor em luta contra as proibições da família, da religião, da ordem social e da sua própria fatalidade. Se a procura do absoluto é o que pedimos à poesia, o cavaleiro Des Grieux é um poeta da vida à procura de Manon Lescaut, o seu absoluto. Na posse de Manon Lescaut reside a sua única pacificação metafísica, a sua única justificação do universo. Com a amante desaparecida, só lhe resta morrer ou arrastar-se por uma má vida tão apodrecida como a morte. 

[Gilbert Lély]

O padre Prévost [Antoine François Prévost d’Exiles: Hesdin, 1697 – Courteuil, 1763] ficou-nos como romancista. Escreveu histórias alongadas por muitos volumes, como pedia o gosto da sua época, e em sete títulos intitulou-se «homem de qualidade que se retirou do mundo» para contar com habilidade formal enredos pretendidos como memórias, as de um marquês observador, ouvidor, condoído e apaixonado por singulares destinos que ao pé dele se denunciavam. Quando chegou ao sétimo, chegou também ao seu mais perdurável momento nas letras, o da história com nome extenso e que a popularidade reduziu a Manon Lescaut; por outros escritores muito apreciada, e conhecemos disto exemplos como os de Sainte-Beuve, Musset, Flaubert, Maupassant… entre os seduzidos pelo seu lado elegante e frívolo, pelo seu amor louco. Teve o desdém de Napoleão: «É bom para porteiras.» Teve a perplexidade de Montesquieu, que nas histórias só gostava da clareza dos bons e dos maus, e se perdia quando lhe davam misturadas tintas: «O herói é um gatuno e a heroína uma dissoluta.» Jean Cocteau foi dos melhores quando escreveu para este romance uma das suas frases: «Cortejo de archotes com jogadores, trapaceiros, bebedores, debochados, devassas da polícia. […] Um perfume libertino de pó-de-arroz, vinho na toalha e cama desfeita. As duas personagens estão cobertas com o óleo que há nas penas do cisne, o que lhe permite chapinhar na água suja sem se conspurcar.» 

[Aníbal Fernandes]

Sem comentários:

Publicar um comentário