quarta-feira, 14 de março de 2018

Cartoons do Ano 2017


Cartoons do Ano 2017
António Antunes, José Bandeira, Carlos Brito, André Carrilho, Augusto Cid, Cristina Sampaio, Vasco Gargalo, António Jorge Gonçalves, António Maia, Henrique Monteiro, 
Rodrigo de Matos, Cristiano Salgado

Comissariado e coordenação editorial António Antunes 
Introdução de Alberto Mesquita 
Apresentação de Nicolau Santos 
Comentários de José António Lima
ISBN 978-989-8902-08-5 | EAN 9789898902085

Edição: Março de 2018
Preço: 14,15 euros | PVP: 15 euros
Formato: 16,5 x 22 cm [encadernado]
Número de páginas: 128
Edição bilingue: português-inglês


[em colaboração com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira]



Nicolau Santos: «Um jornal sem cartoons não é um jornal, é uma folha de couve, papel impresso sem personalidade, mamarracho de letras impressas e acumuladas, um barco que não sabe para onde quer ir mesmo que os ventos soprem a favor.»


Livro publicado no âmbito da Cartoon Xira’2017, realizada de 3 de Março a 8 de Julho de 2018, na Fábrica das Palavras, em Vila Franca de Xira.

Ao longo destes dezanove anos de existência, a dedicação da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira na realização da Cartoon Xira tem vindo a traduzir-se, sem qualquer dúvida, num evento cultural de enorme qualidade e de reconhecido mérito nacional e internacional. Temos muito orgulho em contribuir desta forma para a valorização do cartoon enquanto manifestação artística, nesta que é também uma forma de celebrarmos o humor e a liberdade de expressão.
[Alberto Mesquita]

[...] não há jornais sem cartoonistas e não há cartoonistas sem jornais. E como a vida dos jornais vai mal, a vida dos cartoonistas, presumo eu, também não deve estar a ser passada numa terra de leite e mel.
E, no entanto, eles continuam a «cartoonar». A interpelar. A fazer rir. A fazer pensar. A interpretar. A descodificar. A desconstruir. A irritar ricos e poderosos – os que mandam. A desafiar o poder, todos os poderes, com armas tão frágeis como linhas traçadas em papel. E há quem se incomode. E há quem se zangue. E há quem fique furioso. E há quem os ameace. E há quem os processe. E há quem os mate. Sim, há quem mate cartoonistas por causa de cartoons.
[Nicolau Santos]

Sobre os cartoonistas, consultar www.sistemasolar.pt

Sem comentários:

Publicar um comentário