segunda-feira, 9 de março de 2015

Negro Teatro de Jorge Molder I Alberto Ruiz de Samaniego



Negro Teatro de Jorge Molder
Alberto Ruiz de Samaniego

Edição bilingue – português/castelhano

ISBN: 978-989-8566-96-6

Edição: Fevereiro de 2015

Preço: 16,98 euros | PVP: 18 euros
Formato: 14,5 × 20,5 cm [brochado]
Número de páginas: 184 [com imagens a cores]

[ Em colaboração com a Fundação EDP ]


Percorrer as imagens de Molder, que às vezes tão ferozmente nos interpelam, é como assistir à emergência inquietante de uma mascarada muito séria, um teatro enganoso em que a vítima, o testemunho, o fazedor na sombra, o vigilante e o carrasco encarnam no mesmo indivíduo, não tanto para consolação dos espectadores, nem, supostamente, por narcisismo, quanto para os enredar em estratégias de despersonalização, dominação, dissimulação e culpa, todo um teatro da crueldade e do mistério em que o sujeito aparece submerso ou refugiado numa espécie de cripta psíquica: um verdadeiro espaço de sedução medúsea — eis o que é a imagem e, especificamente, a imagem fotográfica — do qual, sem dúvida, nem ele nem os espectadores podem sair ilesos. [Alberto Ruiz de Samaniego]

Livro publicado por ocasião da exposição de Jorge Molder Rico pobre mendigo ladrón no Circulo de Bellas Artes em Madrid de 5 de Fevereiro a 17 de Maio de 2015.

Alberto Ruiz de Samaniego (1966), professor de Estética da Universidade de Vigo. É autor, entre outros, dos livros: Maurice Blanchot: una estética de lo neutro (1999); Semillas del tiempo (1999); La inflexión posmoderna: los márgenes de la modernidad (2004); James Casebere (2005); Belleza de otro mundo. Apuntes sobre algunas poéticas del inmovilismo (2005); Ser y no ser. Figuras en el dominio de lo espectral (2013); Las horas bellas. Escritos sobre cine (2015).

Sem comentários:

Publicar um comentário