terça-feira, 21 de julho de 2020

Manuel Amado — Pintura sem álibi



Manuel Amado — Pintura sem álibi
Manuel Amado

Textos de Bruno Munari, Joana Amado, Mariana Pinto dos Santos e Vitor Silva Tavares

ISBN 978-989-9006-38-6 | EAN 9789899006386

Edição: Junho de 2020
Preço: 28,30 euros | PVP: 30 euros
Formato: 24 x 28 cm (brochado, com badanas)
Número de páginas: 152 (a cores)

Com a Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva
Edição bilingue: português-inglês




Joana Amado: «O meu pai gostava de rever, de reler, de reouvir, de reviver, de reencontrar, de recomer, de rebeber e de reamar. Adorava pintar e repintar.»



A Manuel Amado não interessou o diálogo com a arte de artistas seus contemporâneos, independentemente de admirar muitos deles e ter relações de grande amizade com alguns. Disse ele: «Nunca fui sensível a fazer o que a geração me pedia. A uma geração que me era hostil. Hostil à minha maneira de pintar.» Existe alguma coisa delicadamente bartlebyana nesse preferir não fazer o que podia ser esperado, não cumprir os requisitos para entrar na arena dos debates da arte contemporânea. A hostilidade de que falava Manuel Amado teria por certo que ver com a escolha por fazer uma pintura realista, recuperando uma função de representação com a qual a arte contemporânea entrara em ruptura há muito. No entanto, a representação em Manuel Amado é de um realismo apenas aparente. O que está na tela são construções de memória, não correspondem senão a um real imaginado, recordado, sem reconstituição possível. E por isso este realismo está longe de ser fotográfico.
[…] A pintura é assim, em Manuel Amado, um mecanismo para parar o tempo. Parar o tempo presente, e também o tempo onírico da memória, o tempo imaginário, cinematográfico, o da sala de cinema, onde há um corte momentâneo, mas total, com o tempo real deixado em pausa do lado de fora. Nesse lugar é possível evocar as imagens dos espaços onde o tempo já decorreu, ou pode decorrer, desfazendo a cronologia. O que se vê de longe, como diz o pintor, são as imagens de rememoração, fantasmáticas. Nelas está latente a experiência ou a acção, mas cristalizadas, entre respirações. A inquietação será essa, a de respiração em suspenso. 
[Mariana Pinto dos Santos]


Gosto dos quadros do Manuel por tudo o que não se vê, mas que se sente, se intui que está nestas pinturas. 
[Bruno Munari]


Não sobeja parte de casa para confidências ou leituras paralelas: exacta, nítida, esta pintura manifesta-se ao olhar em seu paciente artesanato. É o que é — o real na pintura ou a pintura sem álibi.
[Vitor Silva Tavares]

Sem comentários:

Publicar um comentário